segunda-feira, 16 de junho de 2008



Mãe?
Quem disse que ser mãe é fácil? Os primeiros instantes de maternidade são eternos, e ainda sinto falta deles... Ainda lembro da sensação de ouvir o coração do meu filho batendo dentro de mim pela primeira vez. Foi quando eu me senti mãe. Foi ali que meu mundo parou, mas eu não pedi pra descer (por incrível que pareça)...
Não dá pra acreditar que a nossa vida mudará. Nossos preceitos e preconceitos da vida mudam no instante que sentimos que a vida não é só nossa. Percebemos, meio que instintivamente, que nossas atitudes repercutirão não só em nossas vidas. A vida muda! Os preconceitos que antes regiam nosso mundo não passam de preconceitos. Vamos aprendendo a cada instante que nossa vida é uma extensão da vida de alguém. Uma extensão que nos prende umbilicalmente com um outro ser... ser tão pequeno, tão indefeso, mas tão poderoso ao mesmo tempo.
Já não nos importamos com roupas babadas, nariz escorrendo, fraldas mal-cheirosas. Tudo faz parte! Tudo é absorvido pelo sorriso inocente desse ser... do nosso filho.
Mas ainda assim, apesar da maravilhosa sensação de maternidade, não é fácil... não é mole e não é 100% pétalas de rosas. Aliás, quem tem essa idéia nunca foi mãe. Quem acha que acordar de madrugada no meio do inverno, tirar o seio pra fora da roupa quentinha e dar de mamar é fácil, não entende o verdadeiro compromisso de uma mãe. Ainda assim, tenho certeza que todas as mulheres que já foram MÃES com M maiúsculo, não trocariam esse momento por nenhum conforto no mundo.
Ser mãe, meus caros... é realmente padecer no paraíso. Não no paraíso do Éden, mas no paraíso que trancende todo o entendimento. No paraíso que a gente imagina como paraíso. Ser mãe não é como estar num comercial do Visa, ou num comercial de margarina... ser mãe é viver transbordando de um amor incondicional, único e eterno.

Abraços a todas as mães que leram e entenderam esse blog, e a todas as pessoas que não entenderam nadinha...