segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Como curar uma birra sem violencia...


Eh muito bom ver o filho crescendo saudavel e desenvolvendo suas habilidades. Eles comecam a falar, comecam a fazer gracinhas e praticamente ao mesmo tempo comecam as birras. O Kiyo, como um bom menino de 3 anos, adora testar seus limites. Se a gente pergunta se ele quer alguma coisa, invariavelmente a resposta serah nao mesmo que ele queira o que foi oferecido. Entao, se o convidamos para ir ao parquinho, eh nao. Se o convidamos para ir a praia, eh nao. E se o convidamos para voltar pra casa, aih certamente que ele vai dizer NAO!
Ele jah tentou varias vezes o famoso "piti" (ou birra, tantrum e show). Normalmente a gente conversa com ele, garantimos que entendemos sua frustracao, mas nos mantemos firmes. Em alguns momentos, eu preciso me retirar para nao reagir. Confesso que eh dificil, mas quem fala que maternar eh facil nunca foi mae/pai na vida.
Algumas vezes, no entanto, eh muito bom quando a licao nao vem de nossas palavras. Eis um exemplo:
Estavamos na praia ha aproximadamente 2 horas quando dissemos ao Kiyo que tinhamos que voltar pra casa. Ele comecou a espernear e num impulso sentou-se na areia em protesto. Soh que ele esqueceu que estavamos na agua. Nao era fundo, mas foi fundo o suficiente para que ele fosse ligeiramente coberto pela onda que estava vindo. Ele sentou tao rapido que nem deu tempo de cata-lo da agua para evitar o susto. Do mesmo jeito que ele sentou, ele levantou e saiu da agua todo sem jeito, do tipo: "nao deu certo". Ele nao reclamou de ir embora, e nunca mais fez a tal ceninha. Nao foi preciso gritar, ameacar, ou fazer qualquer outra barbaridade. Ele mesmo se deu a licao e foi bem aplicada.
Ainda temos que lidar com rompantes de birra, mas a cada dia que passa eles duram menos tempo. E assim vamos aprendendo juntos como maternar e paternar o nosso pequeno... ou melhor "big boy".

Um comentário:

Bete Strøm disse...

Bom dia flor,

Eu não tenho experiência com este tipo de situação e estou guardando energia para quando o0 Bruno estiver maiorr, pois ele já anda roubando as minhas forças agora..hehehe
Mas segundo as minhas pesquisas é muito importante conversar com a criança sobre a birra que se passou – o que estava certo e o que estava errado, porque é que não pode voltar a acontecer A autodisciplina é ensinar a criança a controlar, positivamente, as situações em que se encontra. Uma vez conquistada, as birras desaparecem, quase como por magia.Será? Acho que sim rs