sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Um ano de EUA...

Gente boa,
Agora em novembro (dia 03 para ser mais exata) fez 1 ano que chegamos de mala e cuia nos EUA. Muita coisa aconteceu desde entao. Muitas coisas boas, algumas menos interessantes, mas no geral crescemos e amadurecemos.
Esta foi sem duvida a vinda mais doida de todas. Esta foi a vez em que eu sabia que nao veria algumas pessoas novamente. Esta vinda foi uma metamorfose completa da nossa familia. Deixamos o "conforto" de termos a familia por perto para uma realidade onde soh nos eramos por nos mesmos. Nao que nao pudessemos mais contar com os nossos amados na nossa amada terra Brasilis. Sabemos que podemos contar, e contamos com todos. Soh nao poderiamos mais nos acomodar com almocos na casa dos meus pais aos domingos. O Kiyo teria que aprender a viver sem as pessoas que fizeram parte de sua vida desde que veio ao mundo.
Saibam todos que ainda doi. Ainda eh dificil essa mudanca toda. Nos conforta o fato de saber que Deus cuida de nos.
Ha um ano atras muitas coisas eram incognitas. Nao sabiamos onde iriamos morar, nao sabiamos se nossos planos se concretizariam. Enfim, viemos com a cara e a coragem.
Apesar de sentir muita falta de todos e apesar de ainda sofrer com a distancia, tenho certeza de que foi a melhor escolha que podiamos fazer. Nossa vida estava de ponta cabeca. Foi um tombo atras do outro, uma decepcao atras da outra. Jah nao sentiamos que estavamos seguros onde estavamos. Nossa vida nao transmitia seguranca para nos (adultos) que dirah para um menino de apenas 2 anos e meio. Nao podiamos impor no Kiyo as nossas insegurancas. Nao podiamos permitir que ele crescesse com medo de sair de casa. Muita gente pode dizer que nao eh bem assim, mas eh sim. Quando a violencia chega na esquina da sua casa, na porta do seu vizinho, a coisa deixa de ser sensacionalismo barato do Jornal Nacional e passa a ter nome, endereco, RG e CPF.
Alem da sensacao (cada vez mais real) de inseguranca fisica, sentiamos que nao havia para onde ir profissionalmente. Nossa empresa estava no buraco, minhas chances de ingressar num programa de mestrado eram cada vez mais infimas. Mesmo que conseguisse, nao significava que eu teria algo garantido no futuro. Em termos de educacao para o Kiyo, nos estavamos num barco sem saida, a nao ser que fossemos sucumbir ao sistema e nos deixar levar. Isso nos nao podiamos fazer. Nossa unica saida naquele momento era apertar o "reset", colocar a viola no saco e dar um rumo para nossa vida. Gracas a Deus nos tinhamos a opcao (nossa ultima carta na manga) de vir para os EUA. Abracamos a minuscula chance de negocio aqui e viemos.
Depois de 1 ano, eis as bencaos que pudemos contar:
1. Moramos em um lugar tranquilo. Eu nao sinto medo de andar pelas ruas a noite, nao sinto medo em minha propria casa. Nao precisamos de cercas eletricas, muros altos e grades nas janelas. Podemos dormir com as janelas abertas, sem panico.
2. Com um pouco de trabalho conseguimos pagar todas as nossas contas basicas e ainda sobra um pouco para um extra.
3. Meu curriculo de graduacao no Brasil foi totalmente reconhecido aqui. Eu consegui ingressar no Programa de Mestrado em Ciencias Ambientais na FAU com bolsa integral + ajuda de custo. Na universidade meus esforcos sao reconhecidos e meus meritos sao meus. Nao preciso viver a sombra de algum professor doutor. Nao preciso me submeter a concursos absurdos que soh visam o lucro. Se eu fui escolhida foi pelo meu merito e nao porque sou peixinho de alguem.
4. Kiyo entrou na escola depois de quase 1 ano aqui, quando vimos que realmente ele queria isso. No entanto, se quisermos educa-lo de formas mais "alternativas" e fazer o chamado "homeschooling", nao seremos considerados criminosos. O sistema educacional aqui tambem eh falho, mas ha opcoes para quem quiser (e puder).
5. Em um ano aqui, posso ver um futuro no final do tunel. Posso ver que nossos planos nao tem limitacoes (alem das nossas proprias).
Voces devem estar pensando que sou desamorosa e antipatriota. Nada disso! Eu amo o Brasil. Eh o meu pais, eh onde estao algumas das pessoas que mais amo nesse mundo. Porem, nao posso ver o Brasil com oculos cor-de-rosa. O sistema politico, capitalista daqui tambem eh corrupto. Tambem existe muita discriminacao contra imigrantes (legais ou ilegais). Nem tudo funciona aqui. Ha desemprego (ainda mais agora). No entanto, se quiser trabalhar duro, terah trabalho e o dinheiro vem. Existem ainda oportunidades para estudo (se quiser). A "crise" do americano eh o nosso momento bom pro brasileiro.
Aqui eu nao concordo com tudo, nem acho tudo perfeito. Mas eu sei que posso andar na rua com o meu filho sem ser vitima de bala perdida.
Parece tragico? Pode ateh ser, mas eu preciso sim lembrar (e bem) os motivos que me fizeram vir pra cah. Nao vou jamais esquecer de onde eu vim. Nao vou jamais desamar o meu pais. Mas nao posso ama-lo se eu nao reconhece-lo pelo que ele eh: um lugar cheio de disparidades, diferencas, corrupcao e violencia onde o povo mais lindo do mundo vive de forma milagrosa cada dia que passa. O nosso povo brasileiro nao eh malandro, eh magico! Faz milagre com o nada. Faz das tripas coracao e ainda alimenta (como pode) uma multidao.
Em um ano de EUA, eu sinto falta do meu Brasil. Sinto falta das pessoas, dos lugares, dos amigos e dos familiares. Porem sinto tambem muita alegria de poder viver sem medo. Eh muito bom poder sonhar de novo, acreditando que o ceu eh o meu limite. Eh isso que eu quero pro Kiyo. E eu sei que ele poderah tambem chegar aonde quiser.
Beijos saudosos a todos meus compatriotas verde-amarelo!