segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Saudades...

Gente,
Nao gosto mesmo de sentir saudades, mesmo quando eu sei que as pessoas estao a algumas horas de mim, que poderei reencontra-las em breve e que hoje em dia eh soh ligar o skype e falar com video. Nao eh e nunca vai ser pra  mim a mesma coisa.
Quando eu vim pros EUA a primeira vez, eu nao tinha acesso a internet e gastava cerca de 200 a 400 dolares (em 1996) soh de telefone. Minha vida era esperar a chegada do correio para ver se alguem tinha lembrado de mim. Como eu me sentia isolada e sozinha mesmo estando com o Jeff. Pra mim, isso tudo foi um baque muito grande.
No entanto, esse primeiro impacto se desfez com a rotina da vida. Com o tempo, eu nao sentia tanta necessidade assim de ligar diariamente. E por ser tao caro, eu fazia ligacoes quinzenais.
Nossa segunda vinda aos EUA foi dolorida ao cubo. Nao tanto por mim (tah, por mim tambem) mas tambem pelo Kiyo. Ele estava acostumado com as pessoas da familia e estava criando aquele vinculo gostoso com eles. Viemos, passei boa parte dos primeiros meses chorando de saudades e de tristeza por nao ter meus queridos por perto. Mas minha maior tristeza era do Kiyo nao poder compartilhar suas novas descobertas com as primas, primos, avos e tios. Esse convivio de final de semana nao seria mais possivel, tambem nao estariamos presentes nos Natais, Pascoas, aniversarios e tantas outras datas importantes. Ele teria que aprender a viver aqui soh com a gente... contando com a presenca de quase nenhum amigo e menos ainda parentes.
Posso dizer que em 1 ano e meio desde a nossa vinda, conseguimos que ele continuasse uma crianca feliz, sociavel e indagadora. Logico que ele demandava muito mais da nossa atencao, mas estamos aqui pra isso mesmo. Algumas pessoas do Brasil vieram pra cah e isso, acho que, amenizou um pouco dessa falta. Os avancos da internet, com o skype, e o acesso via telefone tambem facilitam o contato mais diario com o pessoal.
Entao, marcamos nossa primeira ida ao Brasil apos 1 ano e meio. Tudo correu maravilhosamente bem. Kiyo amou estar cercado de primos e nos de ve-lo tao feliz. Ele sentiu-se realmente parte de uma familia grande. Sentiu-se amado por todos e isso valeu sem sombras de duvidas. Nosso retorno foi inicialmente dificil para mim, mas o bichinho tambem sentiu. Logo no primeiro dia de volta ele olhou para o ceu e viu um aviao passando. Ele disse: "Mamae, olha lah a Aninha (prima) indo embora! Mamae, dah tchau pra Aninha, Dudu (vovo) e vovoh Ana!" Nem preciso dizer que eu me acabei de chorar.
Um mes apos nosso retorno, meu avo (pai do meu pai) faleceu. Mais uma vez, senti aquele aperto da droga da saudade. Vontade imensa de estar lah!
Daih hoje, sem mais nem menos, o Kiyo comecou a pedir para ir pra Curitiba. Dissemos, explicamos e combinamos que iriamos no Natal. Mas hoje nao teve conversa. Ele estava quase chorando, me abracando e meio solucando que queria porque queria ir pra Curitiba. Queria brincar com a Aninha, o Thiaguinho e a Duda. Queria ver o tio Dedeh, a voh Ana e o Dudu. Queria fazer sua festa de aniversario lah, junto com a prima. Queria muitas coisas que infelizmente naquele momento nao eram possiveis. Expliquei para ele que iriamos para Curitiba em breve e que antes disso teriamos a visita da voh Ana, mas ele permaneceu irredutivel. Queria ele ir para Curitiba. Ele estah visivelmente sentindo falta de todos no Brasil. E eu nao sei bem como lidar com isso. Apenas disse pra ele que eu tambem queria muito ir pra Curitiba. Mas que hoje nao dava, e que assim que pudessemos a gente iria. Abracei o pequeno, dei-lhe o peito e ele dormiu como sempre mamando.

Beijos tristes e saudosos,
Dani

2 comentários:

Stheffany disse...

Ai, Dani, imagino mesmo como é difícil essa saudade! Eu nem estou tão longe assim de Curitiba e meu coração aperta cada vez que tenho que voltar de lá...imagina você?!
Mas, pelo menos dessa vez você volta logo, né?! Já tem uma previsão de volta!
Quem sabe você podia fazer um calendário com o Kiyo pra vcs irem riscando os dias juntos até a viagem! Claro que vai ser um calendário enorme, mas talvez isso ajude a passar a ansiedade dele e a sua!

Beijos!!

Julia disse...

Nossa minha linda...
Como meu coração doeu com esse post!
Aqui em floripa também me pego assim, pensando como foi bom termos crescidos juntos, e era isso que queria para o Caetano ( e olha que nem estou tão longe deles). Mas, sei também que fazemos o nosso melhor e certamente o Kiyo saberá disso. As vezes me sinto uma "pedra", nem querendo pensar na saudades que sinto, mas no fundo tudo está aqui escondidinho! Mas, as poucos, vamos aprendendo (nem sei se é esse termo) a lidar com isso.
Saudades também
Amamos vcs
Ju, DU e Cae