quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Ciclos que vao se fechando...



Como muita gente deve estar careca de saber, Kiyo (com seus 4 anos e 4 meses) mama a noite, antes de dormir. Eh uma das muitas formas que a gente encontrou soh nossa de ficar juntinho. Alias, a hora de dormir eh nossa! Acontece que como tudo na vida, a amamentacao tambem chega num ponto onde nao eh mais necessaria. Quem decide isso? A mae ou a crianca? Quando eh a melhor hora de parar? Este post estah parecendo com algumas materias (bem fraquinhas, por sinal) que se arriscaram a falar sobre o assunto da forma leviana e formatada que conhecemos tao bem na nossa amada televisao brasileira de cada dia...
MAS... (ufa, tem um mas nessa conversa...) nao eh isso nao!
Quem decide quando chega? Ambos. Se a relacao eh de mutua entrega, existe sintonia entre os dois. Existem situacoes em que a mae jah nao se sente mais apta a continuar com a amamentacao. Existem situacoes em que o bebe (ou a crianca jah maiorzinha) decide que deu pra fita. No meu ponto de vista, o melhor relato de desmame que jah ouvi foi o da Kalu (Mamiferas) falando do desmame do Miguel (Desmame Natural Existe). E confesso que essa era para mim a forma idealizada da coisa acontecer. A verdade eh que, assim como qualquer mudanca, essa virada de pagina na relacao mae-filho tambem traz algumas dores (necessarias) que incomodam.
A melhor hora de parar? Quando eu ouvi que nao seria capaz de amamentar meu filho, mesmo querendo muito, e que era melhor eu desistir e parar de sofrer com aquilo, eu me senti a pior mae do planeta. Achava que eu era a unica que teve dificuldades em amamentar e me sentia sozinha mesmo. Quando eu tinha que dar a dita formula pro Kiyo e recebia olhares de reprovacao e ateh comentarios do tipo: "mas ele deveria estar mamando no peito!", eu me sentia incompleta, incapaz... No entanto, eu sabia que eu nao era! Entao a minha volta-por-cima veio quando eu conheci a relactacao, processo que me ajudou imensamente a re-estabelecer minha auto-estima e firmar a minha confianca e certeza de que eu era sim capaz de amamentar meu filho. O que veio depois foram 4 anos de pura alegria ao ver meu filho se deleitando (literalmente) no melhor que eu poderia oferece-lo. Com isso, os mesmos olhares que uma vez me recriminaram por nao amamenta-lo, passaram a me recriminar por te-lo pendurado no seio. E como a gente cria uma casca dura, passei a adotar a famosa "cara de paisagem" ao som de "to nem aih"!
Eis que chegou um dia em que o Kiyo quis saber:
 - "Mamae, does Beckett (amiguinho da escola) go 'mama'?" (O Beckett mama?).
Respondi que eu achava que nao. Ele quis saber porque (afinal, ele tem 4 anos e estah na belissima fase dos porques!). Eu disse que nao sabia, mas achava que era porque o Beckett nao quis mais. Ele perguntou sobre todos os coleguinhas. E a resposta era que eu achava que nao. Daih ele ficou quieto. Parece que ele estava tentando se encaixar no mesmo grupo que os coleguinhas.
Eu percebi sua inquietacao silenciosa, e falei:
- "Kiyo, voce gosta de mamar?" E ele respondeu um timido "Sim".
Eu: "Voce pode mamar o tempo que voce quiser, ok? Nao ha problema algum em voce mamar! E tambem nao ha problema algum se voce nao quiser mais. A mamae vai saber entao que voce nao precisa mais do mama, ok?"
Parece que eu tirei um caminhao de pedras das costas do meu pequeno com aquelas palavras. Ele virou para mim no escuro e pediu:
-"Mamae, I want mama!"
Isso aconteceu jah ha algum tempo. Achei que iamos continuar firmes por algum tempo mais.
Aih veio esta semana. Uma visita ao dentista me deixou com a pulga atras da orelha. Kiyo tem varias caries. Mas como? Nao houve uma condenacao dizendo que o fato dele mamar a noite seria a causa das caries, e eu nunca havia ouvido isso antes. No entanto, achei que talvez esse seria o gancho para tentar iniciar o processo de desmame. Conversei muito com ele aquela noite. Falei que iriamos escovar bem os dentes, passar o fiozinho, iriamos contar uma ou duas historinhas e iriamos dormir. Daih quando jah estavamos deitados, eu disse:
-"Kiyo, hoje a gente vai dormir sem mamar, ok?"
Ele quis saber:
-"Por que, mamae?"
E eu expliquei que a dentista tinha encontrado um monte de "bichinhos" morando dentro dos dentinhos dele. E que como a gente jah havia escovado os dentes, nao era bom comer nada. Disse tambem que se ele quisesse, eu poderia dar um copo d'agua e que ficaria ali juntinho dele, fazendo carinho e segurando sua mao ateh que ele adormecesse.
Ele falou "OK", virou para mim, segurou minha mao, pediu que eu cocasse suas costas e adormeceu. Durante a noite, nao pediu para mamar. Achei que ele iria chorar, pedir por favor... estava esperando esta reacao que indicasse que ainda nao era a hora de parar. No entanto, ele acatou minha explicacao tao naturalmente que eu fiquei surpresa.
Hoje jah fazem dois dias que o Kiyo nao mama. Daih enquanto a gente estava se arrumando para ir para a escola, ele veio cheirar o mama. Eu perguntei se ele queria mamar. Ele disse que sim. Daih eu deixei ele mamar. Ele veio, deu uma bicadinha e logo largou.
-"Nao quer mais, Kiyo?"
-"Nao, mamae!" Deu uma risada e pediu: "Eu quero um sanduiche de pasta de amendoim."
Hoje a noite, veremos como vai ser. Nao ha nada fixo sobre o nosso status. Entao, se hoje ele insistir no mama... ele vai ganhar e depois a gente escova os dentes novamente e pronto.
De qualquer maneira, eu sinto que o nosso ciclo estah sim chegando ao fim. Sinto que fui competente e que tanto o Kiyo quanto eu (quanto a nossa relacao mae-filho) soh teve a ganhar com esse processo. Eu sinalizei um possivel final de ciclo... sem traumas, gostos amargos ou insegurancas.
Beijos a todos e todas,

3 comentários:

Stheffany disse...

Puxa, Dani, que legal saber que tem sido assim tão simples o desmame. Tenho que admitir que sempre fico um pouco encucada com isso de o desmame acontecer mesmo sem traumas e naturalmente. É bom ler de alguém que eu conheço de verdade que isso existe mesmo!

Parabéns!

DaniSapoo disse...

Como falei, o nosso status de "desmamados" nao eh fixo. Ontem, Kiyo se debateu bastante para dormir e ficava puxando minha blusa, cheirando o mama, mas sem dizer uma palavra. Daih eu perguntei o que ele queria. Ele disse que queria mamar. E eu disse que ele teria que escovar os dentes depois. Ele concordou, mamou e mesmo dormindo abriu a boca e me deixou escovar os dentinhos.
Beijos

Julia disse...

Prima amada... que lindo!
Fico feliz que o fluxo natural das coisas está bem presente em seu maternar. Lembrei do livro da Laura Gutman: a MAternidade e o encontro com a própria sombra. Lá ela diz acerca da fusão mãe e bebê, corpos emocionais que se fundem. É isso mesmo! E vejo que tens lidado muito bem nesse caminhar. Obrigada por me ensinar tanto!
Beijos
Ju