terça-feira, 25 de outubro de 2011

Kiyo: the science kid!



Praticamente desde que nasceu, o Kiyo foi exposto  ao mundo "scientifico". Primeiro pois eu, como biologa-educadora e ambientalista, vivo nesse meio. E tambem desde que viemos para os EUA, ele teve contato com os programas da TV publica que passa varios programas educativos muito legais.
Jah percebemos que o fato dele assistir esses programas (Sid, o cientista; Cat in a Hat; Wild Kratts; Dinosaur Train, Super Readers...) ajudou-o a desenvolver seu vocabulario, reconhecimento de letras e numeros.
Ele nao fica o dia todo grudado na telinha. Ele passa parte do dia na escolinha, e depois em casa ele brinca, anda de bike, vai a praia, vai ao parque, vai no jardim "investigar" novos bichinhos... Entao, estamos sempre tentando estimular sua cabecinha para ir alem, sem forcar um aprendizado para o qual ele nao estah preparado.
Recentemente percebemos que ele nao soh se diverte com os programinhas favoritos. Ele presta atencao e retem informacoes deveras complicadas ateh mesmo para universitarios.
Foi assim:
Episodio 1: Estavamos tomando banho e brincando na banheira com seus varios brinquedinhos, quando o Kiyo pega a estrela do mar e diz: "Mamae, voce sabe onde eh o olho da estrela?" E eu, que sinceramente nao lembrava desse detalhe, respondi: "Nao, Kiyo, onde eh?" E ele mais que depressa disse: "Eh aqui na ponta do braco (apontando para as pontas da estrelinha de plastico)." E completou: "Ela tem 5 olhos, mamae!" Eu sorri naquele momento e terminamos o banho e a brincadeira rindo dos "5 olhos" da estrela. Mais tarde, enquanto eu preparava minha apresentacao sobre os echinodermes (estrelas do mar), deparei-me com a surpresa feliz. Nao eh que o "olho" da estrela do mar eh mesmo nas pontas? Eu nao lembrava desse detalhe e o Kiyo sabia. Perguntei a ele onde que ele havia ouvido falar disso. Ele respondeu como quem nao quer nada: "No Cat in a Hat mamae!"
Episodio 2: Kiyo e Jeff estavam brincando com uma bolinha saltitante (daquelas bolinhas de borracha que pulam bem alto). Jeff perguntou: "Kiyo, qual a propriedade que faz a bola pular?" E ele respondeu enquanto tentava pegar a bolinha no ar: "Esticity (Elasticity - o que quer dizer elasticidade)." Perguntei novamente onde ele havia ouvido falar sobre aquilo e ele respondeu com o mesmo tom de sabe nao??? "No Sid, mamae!"
E assim vamos descobrindo muitas novas palavras, conceitos e perolas que o Kiyo diz, sabe e expressa.
Muito especial, muito divertido e muito maravilhoso poder participar disso tudo de forma ativa e intensa... nao troco isso por naada nesse mundo!!!
Beijao

domingo, 23 de outubro de 2011

Nao adianta ser filho, tem que participar...

Aqui em casa a gente nao eh adepto da regra que adulto fala e crianca fica quieta. Kiyo tem tanto direito quanto nos de expor suas opinioes, questionamentos e criticas. E ele o faz de forma bastante divertida e unica.
Teve a vez em que Kiyo, descontente com a velocidade do ventilador (no minimo), protestou ao pai: "Daddy, it is 'unceptable' (unacceptable) the fan in low." (Papai, eh inaceitavel o ventilador no minimo). A gente precisa muitas vezes cuidar para nao rir, pois ele fica muito ofendido - principalmente se o assunto eh serio no seu ponto de vista. Precisamos tambem algumas vezes corrigir sua forma de falar, para que ele entenda claramente a diferenca entre expressar o que pensa e falar com grosseria ou falta de respeito.
Essa semana ainda, quando o Jeff voltou da aula, ele o abracou e logo quis saber: "Daddy, how was school? What did you learn today?" (Papai, como foi a escola? O que voce aprendeu hoje?).
E assim vamos que vamos... Kiyo cada vez mais comunicativo, e nos cada vez mais orgulhosos das descobertas do pequeno.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

A mae sou eu... o filho eh meu...


Jah ouvi de muitas maes que se sentem (ou sentiram) invadidas quando recebem "aquela" visita de parentes, amigos e afins logo quando o bebe nasce. Fico lembrando de como eu me sentia quando, ainda gravida, tinha a barriga acariciada por todo mundo + a vizinha. No inicio, logo que soube da gravidez, antes mesmo da barriga aparecer de verdade, algumas pessoas se achavam no direito de ficar tocando a minha barriga. Eu pensava: "puxa, que saco! A barriga ainda eh minha, que invasao de privacidade eh essa!" Uma vez quando reclamei pra minha mae, ouvi um sonoro: "Barriga de gravida eh dominio publico, Dani! Nao adianta ficar se sentindo assim." E eu, entao, passei a me sentir mal por nao gostar que tocassem a minha barriga. Fiquei me sentindo egoista, insegura, infantil... Ateh que parei para pensar... mas espera um pouco... a barriga eh minha mesmo. Eu tenho todo o direito de me sentir assim. Nao estou errada e continuo nao gostando.
Hoje em dia, eu continuo achando uma tremenda falta de respeito quando alguem ve uma gravida e jah vem com a maozona (que sabe-se lah onde pegou) pra passar na barriga. E da mesma forma penso sobre pessoas que se acham no direito de palpitar sobre a forma "certa" de criar os filhos assim que enxergam uma mae com bebe novinho nos bracos. Que me desculpem as palpiteiras de plantao, mas eu acho isso horrivel. Conselho eh algo que se dah quando solicitado, e nunca em tom de reprovacao ou desdem.
Para as maes que se sentem mal quando pessoas invadem sua intimidade materna (algumas vezes com a melhor das intencoes), eu digo que nao tem do que se culparem por sentirem-se assim. Eh normal ouvir que maes que nao gostam que as pessoas fiquem pegando seus filhos recem-nascidos sao ciumentas, egoistas e ateh infantis. Eu digo que elas estao exercendo o direito de ser mae. Isso nao eh uma coisa (ou sentimento) ruim. Eh natural, normal e instintivo que a mae recem parida (ou recem cesareada ateh - porque nao) sinta-se assim. Jah tentaram pegar no filhote de uma cadela que acabou de ganhar cachorrinhos? Tolher esse sentimento que eh maior e mais forte do que a gente eh negar a essencia da maternidade. Nesse caso, eu acho que as pessoas que se sentem ofendidas quando uma mae lhe nega a oportunidade de pegar o bebe DELA, deveriam se colocar em seus devidos lugares e respeitar essa mae. Espere, pergunte e se ela consentir, ok, daih entao pegue o bebe. Nunca em momento algum se ache no direito de tomar o bebe dos bracos da mae, pois ela (assim como uma leoa) irah exercer o seu direito de mae e voce vai sair com pelo menos uma boa rosnada!
Beijos a todas...
Dani

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Surpresaaaaa!!!!

Entao, dia 08 foi meu aniversario. Passei bem feliz, comemorando muito com o Jeff, Kiyo, e tambem a linda presenca da minha mae e da Paula (amiga do Brasil). Tudo foi muito gostoso.
Mas o mais legal foi ver a empolgacao do Kiyo com essa data que pra mim eh tao importante e deve sim ser comemorada. Na sexta feira, quando o Jeff foi com comitiva me buscar na faculdade, eu perguntei ao Kiyo como tinha sido o seu dia. Eu sempre pergunto isso a ele. E ele respondeu: I don't know! E olhou pra Paula com a maior cara de gatinho que comeu o passarinho. Tah. Nao dei muita importancia para aquilo naquele momento. De noite, na hora de dormir, falei pro Kiyo: "Kiyo, amanha eh aniversario da mamae. O que nos vamos fazer?" E ele mais que depressa: "We are going to celebrate (Nos vamos comemorar!)" E eu: "Ah eh? E como nos vamos comemorar?" E ele olhou pra mim, sorriu e disse: "Ah, isso eh surpresa mamae. Voce nao viu os baloes no carro!"
No dia seguinte, dia do meu aniversario, minha mae e a Paula estavam tentando arrumar as coisas pro cafe sem que eu me desse conta. Soh que o Kiyo, vendo a agitacao, ficou tentando organizar a coisa: "Mas, cade o bolo? Cade as velas? Pra que tanto balao? Enche mais esse ali, Paula!" E pra mim: "Mamae, feche os olhos e me siga! Eh seu aniversario. Voce tem que vir aqui na cozinha comigo!!!"
Enquanto eu nao fui ver o bolo cheio de velas (que entregam a minha idade!), os baloes e a folia de cantar parabens, ele nao sossegou! E quando comecamos a cantar, ele dava pulinhos de alegria!
Como eh bom ser crianca e poder celebrar e contar o segredo antes da hora, e ainda assim ter o mesmo entusiasmo com a comemoracao!