terça-feira, 19 de junho de 2012

O céu é o limite... mas ele está preparado para alcançá-lo?


Quando pensamos sobre o que desejamos para o futuro do Kiyo, essa frase me vem a cabeça: "The sky is the limit!". Isso significa exatamente que ele pode almejar o que desejar para o seu futuro. Não fazemos pressões do tipo: tem que ser isso ou aquilo; ele vai ser... Kiyo vai ser aquilo que ele quiser. No entanto, nosso dever de pais é o de prepará-lo para que no futuro ele realmente tenha em mãos as ferramentas necessárias para que o céu seja de fato o seu limite (ou não).
Desde que ele nasceu (na verdade, bem antes disso) já nos incomodava a idéia de ter que conformar com um sistema educacional falido que teima em encaixar peças redondas num buraco quadrado. Saber que no Brasil não teríamos como fugir desse sistema nos deixava angustiados por antecipação sobre como lidaríamos com a educação "formal" do Kiyo, uma vez que homeschooling não é permitido e é inclusive condenado. Ainda assim, sem ter esta possibilidade nas mãos, não deixamos de praticar nossa forma de educar, mostrando ao Kiyo que o seu futuro depende dele.

Quando nos mudamos para os EUA, o homeschooling se tornou mais uma opção de educação. O sistema educacional aqui também não é dos melhores. No entanto, há mais investimento nessa área. As escolas são mais equipadas, as turmas são menores, e (até onde a gente consegue ver) as crianças aprendem de acordo com a idade. Se uma criança se sobressai em alguma área, ela não é forçada a permanecer no mesmo nível. Ela é incentivada a continuar melhorando. Se a escola não consegue oferecer cursos no nível de uma criança (por exemplo, se a criança é um genio em cálculo), esta criança (normalmente já no ensino médio) irá frequentar disciplinas na universidade enquanto termina o currículo "normal" de ensino médio. E assim, as universidades têm alunos de 14-15 anos dando um banho em muitos de 24-25. Saber que o Kiyo, dada as devidas proporções, não será impedido de avançar numa área só porque não "terminou o ensino médio" me deixa mais tranquila também. No entanto, a pergunta persiste: será que nós (como pais) estamos preparando nosso filho para que ele seja o que quiser, siga seu sonho e seja bem sucedido no futuro?
Quando eu era pequena, não entendia qual a razão de se aprender tantas coisas que eu não usaria no futuro. Ouvia isso tanto de colegas meus quanto de adultos na época. "Não sei por que aprender logarítimos, trigonometria, balanceamento de equações químicas... NUNCA MAIS vou ver isso na vida!". Confesso que na época, eu também pensava assim. Hoje em dia, depois de entender que os logaritimos, trigonometrias e até as equações químicas são ferramentas que nos deixam mais bem embasados para lidar com quaisquer questões (inclusive as cotidianas), percebo como esse tipo de comentário limita a gente.
Ouço pais e mães questionando o currículo escolar (que ok, não é lá essas coisas, mas no papel da pro gasto). Os questionamentos não são porque o currículo não é posto em prática, mas porque é preciso aprender tudo isso para não usar mais. No meu ver, essa mentalidade é problemática, limitada e (com o perdão da palavra) burra. Aprender não deveria ocupar espaço. E crianças têm a vantagem de serem "esponjas" para aprender coisas novas. Ao dizer que "fulano nunca mais vai ver logarítimos na vida", está se limitando o fulano a não buscar áreas de exatas, ciências... Assim como dizer que o ciclano não vai usar poesia em nada da vida, também o limita a não experimentar a arte que (assim como a matemática) faz parte da vida.

Não acho que o currículo educacional no Brasil (ou aqui nos EUA) é bom. Acho que é mediocre. E não estou falando apenas de escolas públicas. O problema na verdade não está em aprender ou não os conteúdos "mais avançados" em matemática, ciências, gramática ou artes. O problema está na forma em que esses conteúdos (assim como os mais básicos) são ensinados. O problema está em apresentar esses conteúdos como "um mal necessário" que precisa ser decorado para ser esquecido logo adiante (muitas vezes após a prova do vestibular). E a culpa disso não é apenas do sistema. A culpa também é nossa se repetimos a falácia que "fulano jamais irá usar esse ou aquele conteúdo". Afinal é a nossa obrigação de pais é apresentar todas as ferramentas possíveis. Não devemos depender do sistema para que nossos filhos não se tornem vítimas dele.

Se queremos que nosso filho tenha a opção real de escolher QUALQUER profissão que ele quiser, se queremos dar a ele a chance de ser A ou B porque ele pode, e não porque é a única coisa ele sabe fazer (ou porque é mais fácil de passar), precisamos dar-lhe antes de tudo as ferramentas para que ele possa tomar essa decisão com propriedade e capacidade. Ele não precisa ser biólogo porque a mãe dele é ou fotógrafo porque o pai é, mas se ele quiser seguir essas profissões... queremos que ele tenha capacidade de decidir. Queremos que ele se sinta preparado para escolher seu próprio destino.
Só assim ele poderá ter o céu como limite. Só assim ele poderá inclusive ultrapassar os seus próprios limites.

2 comentários:

Bete Strøm disse...

Ola, eu penso exatamente como voce... Quando temos filhos nosso pensamento muda, o futuro do Bruno eh algo que vive na minha mente... Ele decidirah o que quer ser, mas com bagagens, que uma boa escola ira lhe propor... ou eu como mae, como vc mesma disse. Eu tenho lutado, para que ele cresca aqui, que tambem nao eh o melhor pais do mundo, mas que com certeza tem estrutura educacional melhor do que o nosso pais, pelo menos agora neh? quem sabe na geracao dos nossos filhos isso mude...nao custa sonhar..
Quanto a receita de pastel integral...
A receita que eu fiz eh para 1kg de farinha de trigo, rende bastante pasteis e da pra congelar.
Entao vamos lah 1 kg de farinha de trigo integral ( eu acho que se usar meio kg de farinha branca e meio kg de integral fica melhor, sal a gosto, uma colher de cachaca, vodka, se nao tiver bebida alcolica, pode usar alcool mesmo, uma colher de vinagre, 200 ml de agua morna(tem que ser morna) 1 ovo, 150ml de margarina. Coloque a farinha em um recipiente grande, abra um furo no meio, adicione os ingredientes liquidos, por ultimo o ovo, sove bastante. Depois da massa esta homogenea e soltando das maos, deixe a descansar por uma hora enrolada com saco plastico. Depois desse tempo abra-a com um rolo e enrole com plasticos. e pode guardar, ateh congelar se quiser... Espero que tenho entendido, qualquer duvidas estou aqui...bjs

Bete Strøm disse...

Eu nao recebi sua solicitacao no facebook, tenta me add pelo email, bete.p.santos@hotmail.com bjs e boa semana!