quinta-feira, 16 de maio de 2013

Seis anos de Kiyo = seis anos de Mae!




Toda mae se emociona quando chega o aniversario do filho. Toda mae acredita que o tempo passou voando, e que o bebezinho que estava ali no seu ventre "como se fosse ontem" jah estah correndo, andando de bicicleta, fazendo novas amizades, descobrindo novos horizontes. Eh assim que eu me sinto hoje ao colocar o Kiyo para dormir em sua ultima noite com 5 anos.

 Eh um misto de surpresa e orgulho, medo e admiracao, certezas e duvidas. A unica coisa que se mantem constante eh o tamanho do amor que inunda o meu ser. Eh um amor que nao cabe dentro da gente... que transborda e verte em lagrimas quando me deparo com alguma conquista do Kiyo.

Olhando para o Kiyo hoje, na expectativa de sua festinha com os amigos e pessoas queridas, contando nos dedos os dias que faltam para finalmente chegar o SEU aniversario, eu faco uma retrospectiva desses 6 anos que se passaram. Alias, todo ano faco essa retrospectiva mental.

Primeiro, tive a sensacao de que estava sozinha, abandonada, largada no mundo com um bebezinho recem-nascido. Sentia uma tristeza profunda ao deixa-lo sozinho, e me sentia mal por me sentir assim. Com o tempo e com acesso a mais informacao, aprendi que esse sentimento eh natural e bom. Eh esse sentimento que protege os leoezinhos, ursinhos e outros filhotinhos. Aprendi a seguir esse instinto, a impor esse instinto, e a maternar de forma mais inteira e continua. Nos primeiros meses, fui eu quem nasceu e era eu quem precisava ser nutrida de informacao, coragem e autonomia. A partir da hora em que eu me encontrei como individuo, respeitando meus instintos mais guturais, pude me permitir ser a mae que o Kiyo merecia e precisava ter.


Kiyo passou por inumeras transformacoes fisicas e emocionais. Ele aprendeu a falar, a andar, nasceram-lhe os dentes, aumentou de tamanho (e de peso), passou a comer coisas diferentes (e a mostrar interesse por certos alimentos)... Com pouco mais de 2 anos, sofreu com a distancia dos avos, primos, primas, tios, tias, amigos e amigas que deixamos no Brasil quando mudamos pros EUA. Mostrou que eh capaz de lidar com essas mudancas, adaptando-se de maneira inacreditavel.

Aprendeu a reconhecer as letras do alfabeto, os numeros e as formas geometricas por si proprio e muito antes de colocar os pes na escola. Sentou na poltrona do "capitao" na cabine de um aviao, e sentiu que podia sim "dirigir o aviao". Decidiu ir para a escola, aos 3 anos e meio. Fez novas amizades, conquistou novos obstaculos.  Desfraldou durante o dia. Desmamou durante o dia, mas manteve o mamah para dormir por mais um tempo. Passamos por algumas perdas na familia, tivemos algumas visitas inesqueciveis.


Aos 4 anos, fomos celebrar seu aniversario no Brasil, com os familiares amados. Visitamos lugares que jah conheciamos, e ele pode relembrar do tempo que vivemos lah. Pudemos rever a Rotti e a Dogui, e ele pode matar as saudades dela. Ao voltar aos EUA, mudamos de casa e fomos morar perto da praia. No Natal daquele ano deviamos ter ido ao Brasil, mas-por conta de uma aranha marrom e uma bacteria resistente a meticilina- nao fomos. Fortalecemos nossos lacos familiares por aqui, nos tres. Ele desmamou por completo aos 4 anos e 10 meses, sozinho e contradizendo tudo aquilo que eu ouvia (e temia secretamente). Pude perceber que meu filhote, meu bebe, estava crescendo. Ele amadureceu. Meu menino jah nao era mais um bebezinho. Na Pascoa daquele ano, ele aprendeu a andar de bicicleta SEM RODINHAS DE TREINAMENTO.

Voltamos ao Brasil em tempo de celebrar seu quinto aniversario junto com a prima Duda. Ele teve seu bolo do Batman. Andamos de trem. Ele apitou o apito e usou o cap do maquinista. Visitamos amigos e parentes, matamos as saudades... De volta aos EUA, mudamos de casa DE NOVO. Kiyo tambem mudou de escola. Ele agora estava no Kindergarten, na escola de meninos grandes. Muita coisa mudou pra ele na escola. Ele comia o almoco na cafeteria, entrava sozinho e jah nao precisava que levassemos ele ateh a sala de aula. Aprendeu a nadar sozinho, e aperfeicoou as pedaladas para poder pedalar sua propria bike pra escola. Fez novos amigos, aprendeu a ler e a escrever. Sabe muito mais que muito universitario sobre animais, plantas e meio ambiente.

Ele cresceu. Nesse ano que se passou, fomos ao Brasil novamente - dessa vez no Natal. Ele pode experimentar pela primeira vez o Natal com Papai Noel. E eu pude curtir a expectativa dele ao ver o "bom velhinho" ali em carne e osso (e peruca)...

Kiyo desenvolveu um senso muito grande de respeito a medida que eu aprendi a respeitar seus limites. Ele aprendeu que sua voz pode e deve ser ouvida, mas que para isso ele nao precisa gritar nem espernear. Ele aprendeu que NINGUEM tem o direito de bater nele para que ele cumpra regras. Ele entende que eh uma crianca amada, respeitada e que surras, palmadas e punicoes nao fazem sentido. Ele sabe que usar o carro de forma exagerada deixa as nuvens zangadas. Ele sabe que as minhocas precisam de terra umida e sombra, e por isso nao pensa duas vezes antes de parar a bike e salvar uma minhoquinha que esteja se debatendo no sol.

E hoje, apos lermos nossa historinha antes de dormir, ele lembrou: "Mamae, esse eh o ultimo dia que eu vou ter 5 anos. Amanha eu terei 6 anos!" E quando eu me dei conta, vi meu bebezinho (que agora eh um meninao comprido e esguio) se aconchegar ao meu lado, me abracar e entrar rapidamente em um sono profundo e restaurador. Ele vai acordar amanha com seus tao esperados 6 anos, pronto para novos desafios, novas conquistas, novas alegrias e aprendizados... e assim como sempre, a unica coisa constante eh o amor imensuravel que inunda meu coracao e transborda para fora de mim!


Nenhum comentário: