segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Convivendo com as diferencas: uma licao de respeito aos limites dos outros...



Kiyo sempre foi um menino curioso, e - como qualquer crianca - ele nao pensa duas vezes antes de apontar com dedo e falar em alto e bom tom "Mamae, porque aquela pessoa eh tao baixinha (alta, gorda, magra, morena, branca, velha, nova,...)?". Esses questionamentos jah me deixaram em algumas situacoes do estilo "saia-curta", mas o que se ha de fazer... curiosidade eh um dom! Eh algo a ser cultivado. Se ele nao puder perguntar/compartilhar suas curiosidades comigo, com quem entao poderah?
Eis que no condominio onde moramos tem um menino (J.). O J. eh autista. Nao sei em que lado do spectrum ele estah exatamente. Desde que nos mudamos para cah, o J. demonstrou interesse por brincar/interagir com o Kiyo. Ficava curioso olhando pelo portao. E quando nos encontravamos na piscina, ele ficava "rondando" o Kiyo.
Kiyo perguntou um dia o que o J. tinha e qual a razao dele nao falar e nao brincar como os outros coleguinhas. Jeff respondeu que seu cerebro era conectado de forma diferente, e isso o fazia mais sensivel a algumas coisas (sons, toques e gostos). Kiyo prestou a maior atencao na resposta do pai, e parece ter absorvido tudo bem. No entanto, continuava perguntando a mae do J. sobre oque ele tinha, como ele sentia as coisas e do que ele gostava. A mae do J. sempre respondeu tudo sem constrangimentos. Entendia que era pura curiosidade de um menino que queria entender melhor seu amiguinho quietinho.
Kiyo passou a prestar maior atencao ao J. Cuidava dele na piscina, e interagia sempre que possivel. Ano passado, enquanto planejavamos seu aniversario, Kiyo fez sua lista de convidados, incluindo todos os vizinhos do condominio. Perguntei se ele iria convidar todos os amiguinhos da escola tambem (ele ainda ia pra escola nesse periodo). E ele, sem pestanejar respondeu: "Nao mamae. O J. nao fica confortavel com muita gente estranha. Lembra que o cerebro dele eh conectado de forma diferente e que muita gente deixa ele irritado?" E era mesmo.
Hoje em dia J. interage muito mais com outras pessoas. Kiyo continua cuidando dele nos encontros na piscina ou no gramado que divide o condominio. E o que poderia ter se tornado um problema, passou a ser simplesmente uma caracteristica do amigo.

Ensinar as criancas que ser diferente nao eh ser errado as ajuda na hora de entender o mundo em que vivemos. Ensinar as criancas que diversidade eh bom e que todos beneficiamos quando nao somos iguais a todo mundo as ajuda a aceitar suas proprias peculiaridades e tambem a se sentir bem dentro de seu proprio corpo.



Nenhum comentário: